12 tendências e soluções de venda no setor de Retail

O amor à primeira vista é um sentimento que todos queremos viver pelo menos uma vez, mas que poucas pessoas tiveram a sorte de experimentar. No entanto, quando se trata de comprar, esse desejo que é ativado de forma natural no cérebro floresce em praticamente todos os seres humanos. “O vejo, gosto, quero. E estando quase em 2016, quero já”.

Hoje em dia, o cliente sente que pode satisfazer as suas necessidades sem ter que expressá-las. O entorno no qual nos movimentamos contém tanta informação que pode-se realizar um desejo do sofá de casa e à distância de um clique. Neste processo, as redes sociais e os celulares desempenham um papel fundamental. E os retailers estão conscientes disso. Mesmo assim, surge a pergunta de rigor. Por que voltamos a comprar um produto ou deixamos de fazê-lo?

O amor à primeira vista é um sentimento que todos queremos viver pelo menos uma vez, mas que poucas pessoas tiveram a sorte de experimentar. No entanto, quando se trata de comprar, esse desejo que é ativado de forma natural no cérebro floresce em praticamente todos os seres humanos. “O vejo, gosto, quero. E estando quase em 2016, quero já”.

Hoje em dia, o cliente sente que pode satisfazer as suas necessidades sem ter que expressá-las. O entorno no qual nos movimentamos contém tanta informação que pode-se realizar um desejo do sofá de casa e à distância de um clique. Neste processo, as redes sociais e os celulares desempenham um papel fundamental. E os retailers estão conscientes disso. Mesmo assim, surge a pergunta de rigor. Por que voltamos a comprar um produto ou deixamos de fazê-lo?

Os clientes precisam se sentir mimados e na viagem da compra intervêm vários fatores que farão com que voltemos por um produto, ou saíamos da concorrência. O rateio Q (relação entre o valor gerado pela companhia versus valor financeiro) é o medidor comum dos retailers. Se o rateio Q é > 1, estamos valorizando um retailer pela sua inovação e orientação a melhorar a experiência cliente. Se o rateio Q < 1, o retailer terá uma avaliação meramente financeira e poderá comprar ou ser comprado por critérios exclusivamente monetários.

A cada semana explicaremos duas tendências no setor do retail até chegar às doze mais relevantes, que são:

  1. Baby Boomers e millenials continuarão influenciando nas decisões dos retailers
  2. As redes sociais como plataforma de compra
  3. As marcas redobram o seu esforço em posicionamento em Responsabilidade Social Corporativa.
  4. O modelo de incentivo por compra deixou de ser efetivo.
  5. Fomento do uso da tecnologia em retailing.
  6. A informação (“big data”) será mais acessível e potente.
  7. Os retailers terão que encontrar meios e formas para gerir o risco e proteger os clientes.
  8. Cada vez mais retailers tomarão o controle integral da gestão da cadeia de valor.
  9. Os sites de e-commerce começarão a oferecer compra off-line.
  10. Os retailers que localizarem o seu mix de produto e o formato de ponto de venda ganharão.
  11. O uso de aplicações móveis continuará crescendo em todas as direções.
  12. A estratégia omnical continuará se desenvolvendo.

Neste post começaremos analisando as duas primeiras tendências:-

Tendência 1: Baby Boomers e millennials continuarão influenciando nas decisões dos retailers.

Os baby boomers atualmente tem entre 60 e 70 anos e possuem um poder aquisitivo superior a outras gerações; por este motivo, o retailer não pode se esquecer deles e deve ajustar a sua oferta para continuar facilitando a vida deles. Os novos enfoques de variedade e implantação em pontos de venda serão visíveis em cadeias de retail.

Por outro lado, a geração Y, mais jovem, mas com um segmento do mercado importante, influenciará este setor.

Os retailers que desejam atrair e captar esta geração deverão investir em soluções móveis, já que são o segmento com o maior uso de smartphones. Qual é o fator básico que leva a adquirir um produto na Geração Y? Sem dúvida alguma, a velocidade. São pessoas impacientes, que buscam o que precisam em pouco tempo, e que se não o encontram rápido, o adquirem em outro lugar. É uma faca de dois gumes, pois às vezes a rapidez não está ligada à excelência e os retailers devem ter muito claro o caminho a ser seguido para desenvolver ambas as qualidades nos seus serviços.

Na Overlap criamos diferentes soluções personalizadas para responder a esta demanda: Como podem ser melhorados os resultados da venda no setor do retail?

  • Análise da variedade com base na porcentagem de cada geração no entorno do ponto de venda.
  • O marketing combinado para cada geração. Desenho de ações com base na porcentagem de cada segmento.
  • Diferentes modelos de customer journey em função da geração.

Tendência 2: As redes sociais como plataformas de compra.

As marcas têm encontrado nas redes sociais um aliado perfeito para chegar aos seus clientes de forma eficaz, mas principalmente natural. Todos os dias, aqueles que entramos nas nossas social network, não o fazemos somente para nos relacionarmos com o nosso entorno, mas para nos informar e, a cada dia mais, comprar.

Os lançamentos recentes de funcionalidades de compra nos meios sociais (por exemplo, Facebook’s e Twitter com as opções “Comprar “e a plataforma Like2Buy para Instagram) indicam uma tendência incremental nas capacidades de venda dos meios sociais.

Há retailers que começaram a implantar esta tendência, como o Nordstrom, que já usa o “Like2Buy” no Instagram ou Home Depot, que está testando a opção “comprar” no Twitter. Para o cliente que deseja comprar um artigo que vê, o retailer pode lhe dar a opção de fazê-lo com possibilidades como “Like2Buy” no seu perfil do Instagram. Com um clique o levará a um site similar à página do Instagram onde encontrará o detalhe do produto e poderá realizar o checkout. Se a compra social decolar, os usuários de redes sociais poderão ampliar a sua experiência e será eliminada a barreira entre canais (não haverá distinção entre social e comércio eletrônico), realizando as compras muito mais rápido.

Algumas das soluções da Overlap que impactam nesta tendência:

  • Link direto entre redes sociais e webs de compra.
  • Personalização da oferta ao perfil do cliente de redes sociais.
  • Campanhas especiais para o cliente de redes sociais.

No próximo post falaremos de outras duas tendências fundamentais no mercado do retail e das soluções que propomos em cada caso.

  • Tendência 3: As marcas redobram o seu esforço em posicionamento em Responsabilidade Social Corporativa.
  • Tendência 4: O modelo de incentivo por compra deixou de ser efetivo.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *