Evolução do modelo de negócios pós-vendas na Indústria de Caminhões em México

Segundo Pedro Ferro, Vice-Presidente da divisão de equipamentos agrícolas da Meritor “Não é nenhum segredo que hoje em dia, a vida útil dos veículos pesados é muito maior do que há alguns anos, subindo em até 9, 10 anos de uso”

Isso implica no aumento da demanda por peças de reposição – especialmente motores – enquanto as empresas donas de grandes frotas decidirem manter em seu inventário veículos mais antigos e não substituí-los por novas unidades.

Para as montadoras, essa decisão impacta na criação de uma estratégia de mercado, orientada à uma melhor distribuição de peças de reposição, onde a disponibilidade e a velocidade de entrega, impactam diretamente nos indicadores de negócio.

Mas quais são os fatores que devem ser considerados em uma situação como essa?

  1. O crescimento das marcas paralelas no mercado de peças e acessórios. Isso, com a visão de oferecer uma solução rápida e acessível em custos, atendendo às necessidades do setor.
  2. Um importante aumento em volume de compra de autopeças através de canais eletrônicos em páginas especializadas ou não.
  3. O aumento de opções de comercialização de peças, onde segundos e terceiros donos de veículos pesados recorrem a elas devido aos seus menores custos, rendimento e desempenho comprovados, reduzindo assim, de maneira drástica, seus custos operacionais.
  4. Finalmente, o desenvolvimento contínuo dos componentes remanufaturados, onde as principais vantagens são custos menores, garantia em todo o território nacional e qualidade confiável.

Os pontos acima, estabelecem que as OEMs se concentrem em 3 principais diretrizes para impulsionar o crescimento e competitividade de suas marcas:

  • Medição eletrônica e telemetria: Cada vez mais veículos de frotas estão equipados e monitorados através de sistemas eletrônicos de diagnóstico, buscando assim melhorar a eficiência operacional e antecipar possíveis avarias.
  • Minimizar o tempo inativo: Analisar de forma contínua a demanda de peças por cliente para antecipar as necessidades do mercado. É necessário limitar o tempo de reparo de um caminhão em uma oficina. Tempos produtivos devem estar em torno de 24 e 72 horas no máximo, desde o momento da chegada.
  • Impulsionar a venda externa de peças para oficinas independentes e comercializadoras de peças de reposição, com ofertas agressivas para peças de alta demanda, compensando assim, a diminuição das margens com maior volume de vendas.
  • Uma maior demanda de captação: Esse fator continua sendo primordial, de maneira que concessionários e armazéns de peças, mantenham um padrão de atendimento e nível de serviço para atender às demandas e superar as expectativas dos clientes.

De forma geral, a indústria de transportes está impulsionada por um crescimento sustentável à longo prazo, dado o papel chave que desempenha para o crescimento econômico e desenvolvimento à nível mundial.

Atentas a esse fato, as marcas devem se preparar adequadamente com o caminho a ser seguido, considerando as mudanças que o segmento de transportes demanda.

Segundo a PRNewswire, as marcas que saibam se adaptar adequadamente e com maior rapidez, manterão ou aumentarão sua participação em um mercado global equivalente a 100 bilhões de dólares.

BlueTec_18

BlueTec_18

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *